O Reiki e a doença

Curso de Reiki

* Frank Arjava Petter

Muitos de nós parecemos ter uma ideia errada acerca da natureza da doença. Nada na vida é permanente. Num dia o céu está limpo, no outro há nuvens. A felicidade e a infelicidade perseguem-se pela vida e perseguem cada um de nós; a escuridão torna-se luz e a luz torna-se escuridão. Isto é verdade a vários níveis.

Não se pode congelar um dado momento, uma condição, um sentimento, um pensamento ou mesmo a ausência dele. Se tentares, destróis a vida na sua totalidade. A doença e a saúde fazem parte do mesmo pacote da vida, são as duas faces da moeda. Se deitares fora um dos lados, perdes os dois …

Mais perigoso do que qualquer doença são os nossos conceitos mentais, os nossos julgamentos, o nosso desejo da felicidade e evitar o sofrimento. Mas a felicidade e o sofrimento são estados mentais. Uma pessoa pode estar feliz estando doente, ou infeliz e saudável. Então, todos nós podemos alimentar a nossa atitude interior de gratidão: lembra-te do terceiro princípio do Reiki – “Kansha Shite” (em Japonês) – Sou grato!

Curso de Reiki - Espaço Luz e Vida

Quando pensamos em doenças, traz-nos à mente certas memórias do passado. Essas memórias podem ser nossas ou de outrem. Essas memórias formam teorias e conceitos na tua mente. E com essas teorias condicionas o teu ser.

A maior parte desses condicionamentos nada têm a ver com a realidade; podem nascer de uma concepção social, cultural e religiosa errada que já tem milhares de anos; podem nascer de algo que já foi verdade, mas que já não é; podem nascer da ética moral da nossa sociedade ou do nosso grupo étnico; podem nascer da filosofia da tua família ou do teu círculo de amigos.

Também no Reiki, nós, como grupo, temos de ser cuidadosos para não criarmos novas crenças que nos impeçam de acarinhar a vida na sua totalidade. Olhemos agora para os maiores condicionamentos que podemos ter em relação à doença. O conceito mais comum que encontrei pelo mundo é que a doença é um castigo divino. Fiz qualquer coisa errada e portanto, estou doente. Esta crença é triste e tens de a abandonar rapidamente: faz isso agora… neste momento!

Diz-lhe adeus! O divino quer que tu sejas saudável e íntegro! Íntegro e saudável é aquele que vive de acordo com o que está a acontecer agora – seja o que for: azares, dificuldades financeiras e até mesmo a doença!

Outro conceito é que as coisas acontecem por alguma razão: tens um furo num pneu e pensas que tiveste o furo para evitar que tivesses um acidente uns quilómetros mais abaixo! Graças a Deus, a existência salvou-te! O facto é que … nada TE aconteceu – tu não és importante! As coisas acontecem, simplesmente. A vida não precisa de razões…

As muitas facetas da doença

A doença nunca é, exclusivamente, o resultado de um único factor. Cada doença é um puzzle de um milhão de peças. O meio ambiente, a psique, a comida que comes, o teu karma (seja ele qual for), as pessoas com quem estás, os pensamentos e as emoções que tens, o trabalho que fazes, o sítio onde moras – tudo tem um papel na doença.

Para ter uma certa doença, o teu corpo tem de ter primeiro uma afinidade genética com ela. A afinidade é o primeiro pré-requisito para a doença. Uma pessoa que não tem tendência para cancro do pulmão poderá eventualmente fumar a vida inteira que nem uma chaminé e viver até aos 120 anos!

Uma vez que o pré-requisito é dado, o corpo pode reagir física/mentalmente ao ser atingido no seu ponto mais fraco. Mas não podemos dizer que apenas um factor torna o corpo doente. Dizer que uma pessoa está a perder a visão porque não quer ver, é simplesmente ridículo. Todos nós temos coisas que não queremos ver – tudo bem! – mas não é isso que vai adoecer o nosso corpo.

Mesmo que isso fosse verdade ( e há casos em que sim) não promove a cura dizendo-o, porque esta teoria promove a culpa na pessoa. E a culpa é o pior veneno que há!

A doença e a alma

Temos de fazer a distinção entre todos os níveis da existência: corpo, mente e alma. O corpo e a mente podem estar doentes, mas a alma está para além da doença. A alma é sempre inteira, está para lá dos nossos conceitos e filosofias. Com a palavra “alma”, eu não me estou a referir à “alma individual”. Eu vejo Alma como algo de muito maior do que a chama individual; vejo um fogo que consome tudo.

É mais colectivo do que pessoal. Não é a Alma que está em nós, mas nós é que estamos na Alma, como um peixe a nadar no oceano. O praticante imortal de Reiki Um conceito estranho que criámos para o nosso grupo – o grupo de praticantes de Reiki – é o de que um praticante de Reiki não adoece. Lembras-te do que aconteceu ao próprio Mikao Usui?

A vida dele foi muito curta segundo os nossos padrões; ele viveu até aos 60 anos, de 15 de Agosto de 1865 a 9 de Março de 1926. O Reiki não é garantia de que tu vais permanecer saudável. Nós não sabemos o que as estrelas têm para nós e nada pode mudar o nosso destino – nem mesmo 10 horas de Reiki por dia. Uma das minhas frases favoritas é a de um Guru indiano que eu adoro e respeito muito, chamado Meher Baba.

Ele disse: “A doença não mata as pessoas, a morte é que mata.”Sabemos que ter uma vida espiritual não é necessariamente um bilhete para a saúde. Alguns dos grandes mestres espirituais mundiais batalharam uma vida inteira contra uma doença muito comum. Tiveram cancro, doenças cardíacas, hemorragias cerebrais, AVCs, asma, diabetes e por aí fora. Se te encontrares com uma doença grave, começa por te debruçares sobre ela, e depois promoves a cura a todos os níveis possíveis.

Os caminhos do Reiki são misteriosos: nós não sabemos a que níveis a cura acontece.

Ciência esotérica e doença

Muitos livros e numerosos professores de Reiki falam acerca da relação corpo/mente e alma como se a compreendessem. Eu não sou tão afortunado. A vida é um mistério para mim e não faço a mínima ideia de como ela funciona. Basta olhares para o céu numa noite clara e … sabes do que estou a falar: somos tão pequenos e insignificantes…Sugiro que, a menos que realmente saibamos do que estamos a falar, não falemos acerca do assunto. O mesmo se aplica aos chakras, corpos etéricos ou o conceito de doenças kármicas.

Têm estas teorias em consideração, fica aberto a elas, mas não cries conceitos mentais. Nós nem sequer sabemos o que nos está a acontecer hoje e qual é o efeito que a nossa vida presente tem em nós. Fica com aquilo que sabes.

O que podes fazer para ficares saudável

O mais importante é a tua atitude interior. Alimenta um estado de gratidão com tudo o que encontrares. Age apenas de forma a sentires orgulho em ti, sempre que olhares para trás. Observa os teus pensamentos e emoções e fica apenas com os que forem saudáveis. Pára quando perceberes que estás a entrar num padrão de emoções e pensamentos destrutivos.

Cuida do teu corpo sem criares tensões com o teu regime diário. Se o exercício e uma dieta rigorosos forem demasiado estressantes, não trarão benefícios.

Se te sentires atraído por uma dieta vegetariana, isso pode ajudar-te a seres mais saudável. Mas isto não funciona para toda a gente: se o teu corpo pede carne e peixe, ouve a sabedoria do teu corpo. O teu corpo sabe o que é melhor para ti! Tens apenas de aprender a distinguir entre a sabedoria do corpo e os desejos da mente. Se te apetecer comer só chocolate, então é porque algo de estranho se passa…

Se beberes bebidas alcoólicas, chá e café moderadamente ou se fumares também moderadamente, fá-lo conscientemente e com prazer. Prazer é uma palavra chave na saúde mental, física e emocional.

Todos precisamos de ajuda para relaxar. Para alguns de nós, o relaxamento surge na forma de um copo de vinho ou de um cigarro ocasional; para outros, relaxamento é dar uns murros num saco de areia! Descobre o que te faz relaxar e depois considera os prós e os contras…

A linguagem do estresse

Aprende a ouvir os sinais mais ou menos subtis que o teu corpo e a tua mente te dão. Percebes quando estás cansado, quando parece que não dormiste o suficiente, quando estás inquieto ou irritado? Sentes-te enérgico, fresco e feliz? Como é o teu padrão respiratório? Recebes ar suficiente, alimento suficiente? Respiras fundo? Trabalhas demais?

A maior parte dos professores de Reiki trabalham demais. Como podes cortar com o trabalho? Deve haver uma maneira de desacelerar, de teres mais tempo para a tua vida privada e para rejuvenesceres? Os teus hobbies, quais são? Lembras-te deles?

Recebes tratamentos de Reiki?

Muitos de nós que praticam Reiki parecem adquirir o hábito de sermos dadores compulsivos. Faz-nos sentir bons e nobres por um lado, mas desgasta-nos por outro. Estás preparado para receber, para ser vulnerável e tens necessidade de seres abraçado, tocado e amado? Este hábito de dar compulsivamente – eu sei bem o que isso é – é um nó difícil de quebrar. O ano passado, consegui quebrá-lo organizando um grupo de partilha de Reiki semanal, no qual também eu me deitei na marquesa: e no início, quanta resistência fiz a isto! Lembra-te que só podes ajudar os outros quando tu próprio estiveres cheio de energia! A seguir, olha para a tua vida. Amas-te o suficiente? Recebes amor suficiente e alimento da tua família, do teu companheiro/a, do teu trabalho e do teu círculo de amigos? O que podes fazer para mudar neste sentido?

Vives no sítio certo? Pergunto-me frequentemente o que é que eu fazia se tivesse um milhão de Euros. Ficaria onde estou? O que é que eu faria de diferente? Se houver alguma coisa que eu mudasse, eu vou trabalhar para isso já – antes que o dinheiro entre na minha vida. Porquê esperares, quando podes ter já?

A armadilha dos Professores de Reiki

Para aqueles de nós que ensinam Reiki – ou que ensinam qualquer outra coisa – há uma questão que desempenha um papel muito importante na tua saúde. Pergunta-te a ti próprio/a se vives aquilo que ensinas. Ensinas os princípios de Reiki aos teus alunos? E tu?

Segue-los? Integraste-os na tua vida? Ensinas amor incondicional, a ausência do ego, tranquilidade e meditação. E a tua vida interior? És tranquilo/a, ausente de ego e meditativo/a?

Ou finges que és alguém ou algo que não és? Pensas que és muito importante ou és um simples ser? Quando ensinas, não é necessário criares uma determinada imagem de ti próprio/a. Simplesmente, sê tu próprio/a e descansa no estado natural…Uma boa maneira de descobrires com clareza o teu estado interior é verificares se ages de forma diferente quando estás em casa sozinho/a ou quando estás numa classe.

Os teus movimentos são graciosos, tens o mesmo brilho no olhar? Comes o chocolate que dizes aos teus alunos para não comerem? Está claro para ti onde estás, o que sabes e o que não sabes? Neste sentido, o que me ajuda muito é uma coisa muito simples: quando alguém me pergunta algo que eu não sei responder, digo “não sei” … E é tão refrescante não saber tudo e sabe tão bem não saber… E neste “não saber”, encontras um momento de silêncio …ahhh…

Toma alguns minutos e descansa neste momento pacífico que não contém tensão, preocupação ou problema… É aqui que te podes encontrar contigo mesmo/a.

Frank Arjava Petter

O Espaço Luz e Vida quer dar esse presente a você!

Nesse eBook você vai ter oportunidade de conhecer uma forma de se reconectar à Energia Universal e recuperar o equilíbrio interno, bem-estar e plenitude, não somente para a sua vida, mas para todos ao seu redor.

""
1
Nome
Previous
Next

Veja outras postagens interessantes:

Segundo a OMS, 17 milhões de brasileiros sofrem de depressão

Você sabia que a depressão, doença que causa sintomas físicos e emocionais, e é caracterizada principalmente pela falta de interesse em atividades cotidianas, é a causa de inúmeros afastamentos no trabalho? Uma pesquisa encomendada pela Federação Mundial para Saúde Mental avaliou 377 adultos diagnosticados com depressão e 756 médicos (clínicos gerais e psiquiatras) do Brasil, […]

Reiki: a energia que cura

Técnica milenar que foi resgatada no século XIX através de Mikao Usui, padre cristão em Kioto (Japão) e professor na universidade local, o Reiki é o resultado da união de duas palavras importantes e fundamentais: Rei, energia universal e, Ki, energia vital. Os estudos do mestre, como é chamado entre os adeptos da técnica, se […]

Comentários